Dourados desenvolve projeta encaminhar ações a mais de 2.500 imigrantes - Caarapó Online

Caarapó - MS, terça-feira, 29 de setembro de 2020


Dourados desenvolve projeta encaminhar ações a mais de 2.500 imigrantes

Dourados desenvolve projeto para encaminhar ações junto a mais de 2.500 imigrantes de outros locais

Publicado em: 26/07/2020 às 07h11

Assessoria

A Semas (Secretaria municipal de Assistência Social) desenvolveu um projeto voltado a atender aos imigrantes e seus familiares que se utilizam das vias públicas, principalmente no centro de Dourados, em busca de apoio. Essas pessoas serão encaminhadas aos serviços assistenciais disponibilizados pelo Município.

De acordo com a secretária municipal de Assistência Social, Maria Fátima Silveira de Alencar, é grande o número de imigrantes que aportaram a Dourados nos últimos tempos em busca de emprego e “a cada dia mais famílias chegam à cidade, na esperança de uma vida melhor”.

A secretária conta que, está em fase de implantação em Dourados o Centro de Atendimento ao Imigrante, um local para atendimento específico dessas pessoas. No local, serão feitos os encaminhamentos, como regularização no Cadastro Único para estarem habilitados a também receber os benefícios sociais oferecidos por todas as esferas de governo.

A Assistência Social contratou, inclusive, um servidor [que fala sete idiomas] para facilitar a comunicação com os imigrantes e fazer os encaminhamentos necessários para que sejam assistidos pelo poder público e parceiros locais.


A diretora da Proteção Social da Semas, Shirley Flores Zarpelon, explica que o projeto tem por objetivo abordar as famílias e indivíduos que costumam abordas as pessoas, com cartazes, em semáforos, pedindo ajuda, para informar sobre os serviços e endereços dos Equipamentos de Assistência Social, encaminhar as famílias aos centros de apoio como Cras, Creas, Centro Pop e Casa da Acolhida para acesso aos benefícios socioassistenciais e demais serviços ofertados pela Assistência Social.

“A Semas, por meio desses equipamentos, já vem prestando atendimento a estes indivíduos e famílias, com abordagens, atendimento e encaminhamentos, entrega de benefícios eventuais, indicando o público citado para recebimento de doações da sociedade civil e oferta de acolhimento temporário quando necessário”, diz a diretora.

O projeto

O projeto da Semas é desenvolvido pelo Serviço Especializado em Abordagem Social e ofertado, de forma continuada e programada, com a finalidade de assegurar trabalho social de abordagem e busca ativa que identifique, nos territórios, a incidência de trabalho infantil, exploração sexual de crianças e adolescentes, situação de rua, dentre outras. A ação conta com participação de técnicos do Centro de Atendimento ao Imigrante, Centro POP, Casa da Acolhida e Conselhos Tutelares Leste e Centro, que fazem abordagens no quadrilátero central, rodoviária, praças, supermercados, a famílias e indivíduos, informando sobre os serviços e endereços dos equipamentos da Assistência Social.

Além de informar endereços de outras políticas da rede como postos de saúde, hospitais, UPA, delegacias de polícia, Central de Vagas de Emprego, Casa da Irmã Dulce, Sociedade Cáritas, sociedade civil que apoia imigrantes entre outros endereços pertinentes ao imigrante recém-chegado em Dourados.

O projeto será desenvolvido nos períodos matutino e vespertino, durante 30 dias, iniciando em 20 de julho e encerrando no dia 20 de agosto de 2020, podendo ser prorrogado, se necessário, conforme os idealizadores da ação.

Mais de 2500 atendimentos

Desde meados de abril de 2019, Dourados está recebendo pelo Projeto Acolhida do Governo Federal, imigrantes venezuelanos que entram no Brasil via Roraima e se deslocam inicialmente a capital de Mato Grosso do Sul e posteriormente aos municípios em busca de vagas de emprego. Levantamento do quantitativo de imigrantes aponta que Dourados recebeu, até o mês de maio, 2.576 imigrantes; destes, 1.137 realizaram o Cadastro Único. Do total, 328 são haitianos, 211 de diversas nacionalidades e 2.037 venezuelanos. Detalhe: a maioria deles sem emprego.

“É notório a chegada de imigrantes com suas famílias, a maioria venezuelanos, que agora estão nos semáforos da cidade com cartazes pedindo comida, emprego e isso exige uma ação urgente, principalmente em relação à exposição de crianças a riscos do trânsito, entre outros riscos, e que muitas vezes são usadas para sensibilizar a população a contribuir com estas famílias”, diz Fátima.