'Crença em uma cura mágica' é comum em pandemias, diz antropóloga Lilia Schwarcz - Caarapó Online

Caarapó - MS, quarta-feira, 30 de setembro de 2020


'Crença em uma cura mágica' é comum em pandemias, diz antropóloga Lilia Schwarcz

Antropóloga e historiadora que está escrevendo um livro sobre a gripe espanhola (1918) no Brasil, fala sobre o negacionismo no país. 'A diferença é que, naquela época, o presidente não falava em tomar sal de quinino', afirma

Publicado em: 27/07/2020 às 08h43

Sarah Teófilo

A pandemia do novo coronavírus pegou o mundo justamente em um período no qual o movimento de negação a tudo que é científico é crescente. O vírus se alastrou e já matou mais de 614 mil pessoas, segundo dados da Universidade de Johns Hopkins (EUA). Somado ao pânico do que é novo, a ação de negar a ciência fica ainda mais evidente, com informações falsas divulgadas massivamente, inclusive por autoridades, colocando em risco a saúde das pessoas.

A antropóloga e historiadora Lilia Schwarcz, que é curadora-adjunta de histórias do Museu de Arte de São Paulo (MASP), fala sobre o negacionismo no Brasil. Ela, que está escrevendo um livro sobre a gripe espanhola (1918) no Brasil, junto com a historiadora e cientista política Heloísa Starling, previsto para sair em setembro, faz um paralelo sobre como o país lidou com aquela pandemia e como está lidando com a do novo coronavírus.

Um dos pontos curiosos que a história mostra é “a crença em uma cura mágica”. Durante a gripe espanhola, se popularizou no país o sal de quinino, usado como medicamento no combate à malária. Ainda que não fosse tratamento para a gripe, as pessoas o tomavam. Coincidentemente, o remédio da vez, a hidroxicloroquina, também é usado contra a malária e é altamente recomendado pelo presidente Jair Bolsonaro, apesar de não ter comprovação científica de sua eficácia em pacientes com covid-19. “Isso mostra como as pessoas se apegam a pensamentos mágicos. A diferença é que, naquela época, o presidente não falava em tomar sal de quinino.” Confira os principais trechos da entrevista com a antropóloga a seguir:


Vivemos em um período no qual há forte negacionismo no país e no mundo, e isso não se restringe ao coronavírus. Por que essa negação a tudo que é científico acontece no Brasil?

Eu penso que isso vem de fora, não é algo só brasileiro. Houve um movimento grande nas redes sociais, que democratizaram, de um lado, a informação e, de outro lado, a falta de informação, porque as pessoas não se preocupam em verificar a fonte. A lógica das redes é a do imediatismo, sem respeito à produção de conhecimento. E pesquisas mostram que em países desiguais, como o nosso, a política de negacionismo tende a ter mais sucesso, porque há uma lacuna de conhecimento. Vivemos em um governo tecnocrata, autoritário e populista. O presidente acredita que todo conhecimento está detido nele ou nas pessoas que o rodeiam e compactuam da mesma ideologia, e que não precisa da imprensa, da ciência, tampouco das instituições democráticas.

A pandemia reforçou esse negacionismo?

Nós vivemos numa sociedade ocidental que não é preparada para a morte, para o luto, nem para gestos de solidariedade. E isso é comum em contextos endêmicos. As pessoas preferem acreditar num milagre. Durante a gripe espanhola, em 1918, foi impressionante a entrada do chamado sal de quinino, que as pessoas tomavam, apesar de saberem que era usado para malária (como a hidroxicloroquina). Qual a diferença? Na época, os dirigentes da Saúde, os médicos responsáveis e o presidente (Rodrigues Alves) não apoiavam o sal de quinino. Muito diferente do que acontece agora, quando o presidente da nação faz propaganda para que a população tome a cloroquina. O que há em comum: o pensamento mágico. Naquela época, as pessoas tomavam no desespero. Ou seja, se a ciência não resolve, eu vou resolver de outra maneira. A chegada de epidemias sempre causa problemas políticos, eleva alguns líderes e derruba outros. Mas impressiona um presidente sem um especialista médico (referindo-se ao cargo de ministro da Saúde, ocupado interinamente pelo militar Eduardo Pazuello). Na época, Rodrigues Alves chamou Oswaldo Cruz.

Esse negacionismo existia lá atrás?

Não é a primeira vez que temos governos populistas, sobretudo na América Latina. O que tem de novidade agora? Esse populismo autoritário e tecnocrata, de figuras que estão acima, que são a nação, que são o Estado, governantes muito ufanistas, pretensamente nacionalistas. O presidente tenta construir uma nostalgia nos seus eleitores, fiéis seguidores, que é uma mitificação da história. E o que dizer de eleitores que chamam seu presidente de mito? Ao fazerem isso, eles estão dizendo que vão segui-lo fielmente, não importa o que ele venha a dizer. É aí caímos no negacionismo. Estamos num momento de governos populistas autoritários, e todos têm em comum o negacionismo, com atitudes que atacam todos os setores que produzem informação. Jornalistas, acadêmicos, cientistas, nada disso interessa, porque o suposto dessa pós-verdade é criticar, questionar todos aqueles que estudam. A mesma coisa acontece com a história também. Faz parte do negacionista atacar em todas as suas frentes e não ter qualquer respeito diante da informação.


O ato de usar máscara é simples, e é não só para me proteger, mas para proteger o próximo. Muitos se recusam ou resistem, inclusive o presidente. Isso é reflexo do negacionismo ou ausência de empatia?

Acho que é negacionismo à ciência. Depois há uma soberba por parte dessas populações infladas pelo presidente, do tipo de pensamento “eu não pego porque eu sou atleta, você pega porque é fraco”. E há também um discurso machista, de uma ideia que aqueles que são “machos” não pegam. A gente não pode esquecer que Bolsonaro falou que usar máscara “é coisa de viado”.

Quem mais morre na pandemia são os de sempre: pretos e pobres. Enquanto os brancos puderam se proteger, os pretos e pobres continuam se arriscando. A pandemia nos ensina algo?

A pandemia escancarou a nossa desigualdade. Eu sou muito desconfiada desse conceito “novo normal”. Normal para quem? As pessoas que falaram desse novo normal são, em geral, de classe média alta, que vivem em casas com mais de um cômodo. E vimos que mesmo nesses grupos aumentou o feminicídio, a violência contra a criança. Esse novo normal não funciona. A pandemia veio de avião, atacou os bairros mais nobres e, logo, ficou especialmente letal nos bairros de baixa renda. São populações que historicamente têm menor acesso à saúde pública.

O presidente Bolsonaro se elegeu tendo um discurso elogioso à ditadura militar. O que isso diz sobre a relação do brasileiro com o autoritarismo? Ou é mais uma negação à história?

São questões diferentes. Em primeiro lugar, faz um certo tempo que foi sendo construída essa mística em torno da figura do exército. Ela começa ainda no contexto da Guerra do Paraguai, 1864 a 1870. Quando o Brasil sai da guerra, a monarquia sai mais enfraquecida, porque gastou muito com a guerra. Mas o exército surge de lá como uma instituição ilibada, e é quando começa a ser construída essa imagem, esse mito dos salvadores da nação. Esse mito vai ser de novo construído por ocasião do golpe da República, que é patrocinado pelo Exército em cima do Partido Republicano Paulista. Então, essa imagem da instituição que equilibra a democracia, que é uma espécie de pêndulo da democracia, não consegue nem no contexto do início da República, porque a República se inicia com um golpe justamente do Exército. Temos também Getúlio Vargas, depois temos a Ditadura Militar, e temos a história de uma Constituição de 1988, que é muito ampla, generosa, que tentou cuidar dos direitos plurais dos brasileiros, mas não lidou com a questão do ressarcimento e da avaliação do Exército. Tanto que nós tivemos uma Comissão da Verdade que poderia indicar os nomes, mas que não poderia julgar essas pessoas. Muito diferente do que aconteceu em outros contextos. Isso fez com que o Exército ficasse muito salvaguardado, como, por exemplo, na questão da aposentadoria. Ou seja, ele foi muito preservado, mesmo em contextos mais democráticos. É uma nostalgia de um passado que nunca existiu. É uma nostalgia de um Exército aristocrático, fiel balança da democracia. E o Exército nunca foi isso. Durante a Ditadura Militar, o que foram os 17 atos institucionais se não uma tentativa de acabar com a democracia?


A gente sempre ouve que a história é cíclica, que se repete. A forma como lidamos com a pandemia do novo coronavírus nos mostra isso?

Eu acho que a história está piorada, porque a gripe espanhola era mais letal mas era mais curta. Agora nós temos uma situação muito mais problemática; nós, que nos achamos tão tecnológicos, tão adiantados, não conseguimos vencer esse microorganismo. E se a história é cíclica, ela retroage; ela não avança. No que se refere ao Brasil, sobretudo, e aos países que têm presidentes autoritários, o que está acontecendo é que eles estão apanhando da pandemia. Rodrigues Alves saiu como herói. Já Jair Bolsonaro, eu acho que sairá como um desastre em termos de combate à covid-19. Então, se a história se repete, ela se repete no sentido inverso. Ou seja, estamos retroagindo.