Após mais de 2 mil hectares destruídos, incêndios no Pantanal são controlados - Caarapó Online

Caarapó - MS, terça-feira, 29 de setembro de 2020


Após mais de 2 mil hectares destruídos, incêndios no Pantanal são controlados

De acordo com o Corpo de Bombeiros, foram três dias de combate intenso para controlar as chamas das queimadas

Publicado em: 09/08/2020 às 07h22

Guilherme Cavalcante

Após mais de dois mil hectares consumidos pelas chamas das queimadas, o incêndio no Pantanal foi controlado. Foram três dias de combate intenso na Nhecolândia, região leste de Corumbá, a 426 km de Campo Grande (MS).


A ação de combate foi realizada pelos bombeiros. Então, para o trabalho de campo para debelar as chamas nove bombeiros contam com o apoio de peões e maquinários das fazendas atingidas. De acordo com o tenente-coronel bombeiro Frederick Caldeira, o acesso por terra, na via MS-228, e estradas boiadeiras, contribuíram para uma ação mais rápida.


O tenente-coronal é responsável pelas operações antifogo do Corpo de Bombeiros em Corumbá (MS). “Graças ao excelente trabalho e auxílio dos bombeiros e a estrutura das fazendas conseguimos controlar a extensão do fogo, evitando o pior”, comentou a proprietária de uma das fazendas afetadas, Maria Regina Camponez.

 

A fazenda Conquista, vizinha da fazenda de Maria Regina, resguardou o território com aceiros e ainda ajudou no combate aos incêndios cedendo os maquinários às equipes da ação. O fogo queimou cerca de 800 hectares da fazenda Ita e na Paiol, 1.300 hectares foram afetados.


Fogo na beira do rio


Além das áreas afetadas diretamente nas fazendas, os incêndios do Pantanal também atingem a beira do Rio Paraguai e a morraria da região. Então, para controle e atendimento de casos emergenciais de fogo, o Corpo de Bombeiros mantém dez homens e quatro viaturas disponíveis para Corumbá.


O tenente-coronel explicou que existe um alerta permanente, causado por focos de calor na fronteira com a Bolívia. No sábado (08.08), a cidade amanheceu sem fumaças e fuligens.


Assim, uma equipe está a caminho da região da Estrada-Parque, MS-228 e MS-184. O grupo deve realizar vistorias dos focos de calor e trabalho de educação ambiental