Privatização dos Correios: passivo financeiro bilionário é revelado ao Brasil - Caarapó Online

Caarapó - MS, sábado, 28 de novembro de 2020


Privatização dos Correios: passivo financeiro bilionário é revelado ao Brasil

Segundo levantamento exclusivo do Ministério da Economia, dívida chega a 14 bilhões de reais; estatal deverá ser privatizada em 2022

Publicado em: 29/10/2020 às 07h45

Valor Econômico

Um estudo exclusivo realizado por técnicos do Sistema de Informações das Estatais (Siest), do Ministério da Economia, soluciona um dos principais impasses dos Correios, que tem sido objeto de inquietações no mercado. A estatal caminha para um processo de privatização, com a quebra do monopólio do serviço postal e a modernização do setor.

Os funcionários D.M.A e R.P.L., lotados na sede dos Correios, em Brasília, viajaram no dia 14 de abril para São Paulo para participar da 23a Exposec, tradicional feira de tecnologia, produtos e serviços para a segurança. As passagens custaram 852 reais e o gasto está listado no site da empresa, na área que discrimina receitas e despesas da companhia, incluindo as passagens aéreas utilizadas pelos funcionários.

Acontece que em razão da pandemia do novo coronavírus, um mês antes da data do evento, em 16 de março, a Exposec foi cancelada pelos organizadores e remarcada para 2021. Até o fechamento desta edição, os Correios não responderam se os funcionários de fato viajaram, mas as passagens foram computadas no sistema de controle da estatal. Isoladamente, pode ser apenas um episódio de um gasto isolado dentro dos Correios, mas na maior estatal do Brasil em número de funcionários, com 95.000 empregados, o buraco costuma ser mais embaixo.

Mais de uma década de escândalos de corrupção, despesas crescentes e um passivo bilionário colocaram a empresa em um pântano difícil de ser navegado. Agora, com o processo de privatização batendo à porta, o governo quer passar um pente-fino em todos os pontos que podem fazer da venda da estatal um bom ou mau negócio, dependendo da forma como for estruturada a operação.

Ou seja, a caixa-preta está sendo aberta. Antes de vender, com interssados já se manifestando pela fatia de um mercado muito grande, Magazine Luiza por exemplo. A dívida da empresa está ao redor de R$ 14 bilhões de reais e isso precisa ser resolvido antes de passar a empresa à iniciativa privada. Com a palavra sobre o assunto, o Governo Federal.