Após o grande incêndio a Cinemateca de São Paulo terá nova diretoria - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, quarta-feira, 22 de setembro de 2021


Após o grande incêndio a Cinemateca de São Paulo terá nova diretoria

Agora que registros históricos e equipamentos viraram cinzas, Secretaria Especial da Cultura abre seleção para a nova administração da instituição. MPF vê negligência do governo federal, e Instituto Lumiére afirma que fogo é o resultado de uma "desastrosa política cultural"

Publicado em: 31/07/2021 às 10h25


Um dia após um incêndio atingir o galpão da Cinemateca Brasileira, queimando 60 anos de história da política pública para o cinema, entre outros itens e documentos que ainda estão sendo contabilizados, a Secretaria Especial da Cultura do governo federal publicou um edital para seleção de entidade privada sem fins lucrativos para gerir as atividades da instituição pelos próximos cinco anos. A entidade pode ser uma organização social já qualificada ou a ser qualificada. O edital foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) de ontem e mostra ainda que o contrato prevê o aporte de R$ 10 milhões anuais, mas que quem for contemplado deverá buscar mais recursos.

O Ministério Público Federal divulgou, ontem, uma manifestação sobre o incêndio que destruiu parte do acervo da Cinemateca — há um ano, havia entrado com uma Ação Civil Pública contra a União por abandono da instituição cultural. Para o Ministério Público Federal (MPF), problemas de infraestrutura se deram por conta da “má transição de gestão”, que deveria ser acompanhada pelo governo federal. “O grande problema foi a má transição na gestão da Cinemateca, de 2019 para 2020: encerrou-se o contrato de gestão da Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), sem que a União desse continuidade aos trabalhos técnicos internos da Cinemateca, assumindo-os diretamente ou por outro ente gestor”, disse.

Abandono desde a era PT

Já o Instituto Lumière, sediado em Lyon, na França, se manifestou por meio de um comunicado a respeito do incêndio. A instituição, que recebe o nome dos irmãos franceses que inventaram a técnica cinematográfica e que é dedicado à preservação da memória do cinema, condenou a gestão do governo Bolsonaro, que administra o órgão, afirmando que a Cinemateca foi vítima de “abandono” e que seu incêndio é mais um símbolo da “desastrosas política cultural” do Brasil.

O comunicado do instituto lembra que a tragédia ocorre “menos de três anos após o incêndio do Museu Nacional” no Rio de Janeiro e que infelizmente não é a primeira vez que a Cinemateca sofre danos, tendo passado por outros quatro incêndios e, no ano passado, um alagamento. O Instituto Lumière afirma, porém, que a “principal dificuldade de suas equipes (da Cinemateca) são, sem dúvida, as condições impostas pelo antigo e atual governo brasileiro”.

Pelo Twitter, o secretário de Cultura Mário Frias culpou as gestões do Partido dos Trabalhadores (PT) pelo desastre da Cinemateca: “O estado que recebemos a Cinemateca é uma das heranças malditas do governo apocalíptico do petismo, que destruiu todo o estado para rapinar o dinheiro público e sustentar uma imensa quadrilha de corrupção e sujeira criminosa. Não tivessem feito isto, teríamos verba para criar mil novas Cinematecas”, publicou.

Acervo calcinado

Os funcionários da Cinemateca Brasileira divulgaram, ontem, um manifesto comentando o incêndio que atingiu o galpão da Vila Leopoldina, que chamaram de “crime anunciado”, e indicaram as possíveis perdas. Segundo o documento, foram “possivelmente perdidos ou afetados” itens do acervo documental, como grande parte dos arquivos de órgãos extintos do audiovisual, como, por exemplo, parte do Arquivo Embrafilme (1969-1990), parte do Arquivo do Instituto Nacional do Cinema (1966-1975) e do Conselho Nacional de Cinema/Concine (1976-1990), além de documentos de arquivo ainda em processo de incorporação.

Do material audiovisual, estima-se parte do acervo da distribuidora Pandora Filmes, de cópias de filmes brasileiros e estrangeiros em 35mm, matrizes e cópias de cinejornais únicos, trailers, publicidade, filmes documentais, filmes de ficção, filmes domésticos, além de elementos complementares de matrizes de longas-metragens possam ter sido queimados no incêndio. Além disso, parte do acervo da Escola de Comunicação e Artes (ECA), da USP, e da produção discente em 16mm e 35mm, e itens do acervo de vídeo do jornalista Goulart de Andrade.