Taxa de natalidade na República Popular da China é a mais baixa desde 1949 - Caarapó Online

CAARAPÓ - MS, sexta-feira, 20 de maio de 2022


Taxa de natalidade na República Popular da China é a mais baixa desde 1949

O país mais populoso do mundo registrou 10,62 milhões de nascimentos no ano passado.

Publicado em: 19/01/2022 às 05h53


A China é o país mais populoso do mundo, tinha 554 milhões de habitantes em 1950, passou para quase 900 milhões no início da década de 1970 e tem atualmente 1,44 bilhão de habitantes. É mais do que toda a população da África e, também para efeito comparativo, mais do que toda a população das Américas (do Norte, Central e do Sul). Ou ainda, cerca de duas vezes a população da Europa. Portanto, não é pouca gente.

A demografia da China tem gerado reações ciclotimias. No passado foi comum o medo com a “explosão populacional”. Agora o medo é com a “implosão populacional”. Desta forma, o receio do crescimento agora mudou para o pavor do decrescimento populacional. O gráfico abaixo, da Divisão de População da ONU, mostra o comportamento da Taxa de Fecundidade Total (TFT) para o período 1950 a 2020 e projeções até 2100. Nota-se que a TFT que estava acima de 6 filhos por mulher na época da Revolução Comunista de 1949, caiu na década de 1950, mas voltou a subir com a Revolução Cultural dos anos de 1960.

No início dos anos de 1970 foi lançada a política “Mais Tarde, Mais Tempo e em Menor Número” (em chinês: “Wan, Xi, Shao” e em inglês: “later, longer, fewer”) que incentivava as mulheres a terem o primeiro filho em idades mais avançadas, que mantivessem um espaçamento maior entre os filhos e que limitasse o tamanho da prole, adotando um tamanho pequeno de família. A política foi um sucesso e a TFT caiu para 3 filhos por mulher. Porém, no bojo das reformas implementadas por Deng Xiaoping em dezembro de 1978, foi instituída a “Política de filho único” – a iniciativa controlista mais draconiana da história da humanidade – e a TFT ficou abaixo do nível de reposição (2,1 filhos) já na década de 1990.

A taxa de natalidade na China em 2021 foi de 7,52 nascimentos por 1 mil pessoas, a mais baixa desde 1949, quando o Escritório Nacional de Estatísticas começou a compilar os dados.

O país mais populoso do mundo registrou 10,62 milhões de nascimentos no ano passado. O crescimento natural da população chinesa, que exclui a imigração, foi de apenas 0,034% em 2021, o menor desde 1960, de acordo com os dados oficiais.

Os demógrafos chineses alertaram que, se a tendência de queda continuar, a população da China poderá encolher em breve. O chefe do Escritório Nacional de Estatísticas, Ning Jizhe, disse que o declínio nos nascimentos resultou de uma combinação de fatores: “de uma diminuição no número de mulheres em idade fértil, um declínio contínuo na fertilidade, mudanças nas atitudes em relação à gravidez e atrasos nos casamento de jovens”.

O governo chinês afrouxou a política do filho único. Atualmente, os casais podem ter até três filhos no país.