Será que deputado sabe para que ele serve? - Artigo - Caarapó Online

Caarapó - MS, segunda-feira, 22 de abril de 2019


Será que deputado sabe para que ele serve? - Artigo

Será que deputado sabe para que ele serve?

Publicado em: 24/03/2019 às 07h18

Sergio Moura - Brasília

“Estou pensando em adiar a indicação do relator. Ninguém do governo, nem o ministro Paulo Guedes (Economia), me procurou. Então eles não estão com tanta pressa assim.”

Esta declaração, segundo o jornalista Tales Faria na Folha de São Paulo datada de 21/3/19, é do deputado Felipe Franceschini (PSL-PR), presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, a famosa CCJC.

Triste afirmação. Revela que Felipe, alçado a presidente da comissão mais importante da Câmara dos Deputados, apesar de ainda não ter feito dois meses como deputado federal, já incorporou os vícios de seus veteranos e não sabe o que significa ser representante do povo nem qual é sua obrigação para conosco pelo alto volume de dinheiro que ele e a organização a qual ele pertence nos custa.

Vou ensinar-lhe: sua obrigação é defender os interesses da maioria dos brasileiros, não esperar que o presidente da República, ou seu subordinado, tome a iniciativa de procurá-lo para conversar sobre questões que são de responsabilidade dos congressistas, mais especificamente, no momento, do presidente da Comissão de Constituição e Justiça.

O presidente da República fez o seu papel: enviou para o Congresso Nacional sua proposta de alteração da previdência social. Pela Constituição, cabe agora aos deputados deliberar sobre essa proposta. Qualquer iniciativa, portanto, sobre essa matéria cabe exclusivamente ao deputado Felipe. Ele parece que acha que o presidente da República tem um problema e os deputados estão fazendo-lhe um favor de ajudá-lo a resolvê-lo.

Se é verdade, engana-se o deputado Felipe, quem tem problema são os brasileiros que estão a cobrir prejuízos do sistema previdenciário público sem serem beneficiários dele, e, agora, é de responsabilidade dos membros do Congresso Nacional resolver essa injustiça.

Caro deputado Felipe Francescini, não siga o mau exemplo do presidente da Câmara dos Deputados, que, pela imprensa, afirma que espera que o presidente da República dê atenção a pedidos clientelistas dos seus liderados para cuidar do bem-estar do povo que representa. Aja, é sua obrigação constitucional.

Sérgio Moura é advogado, ex-executivo da IBM Brasil, ex-consultor em formulação de políticas públicas, autor dos livros Chega de Pobreza (edição do autor, 2006) e Podemos ser prósperos – se os políticos deixarem (edição do autor, 2018), Fellow do Institute of Brazilian Issues da George Washington University