Escolas Estaduais podem incluir Educação Financeira no conteúdo curricular - Caarapó Online

Caarapó - MS, sábado, 15 de agosto de 2020


Escolas Estaduais podem incluir Educação Financeira no conteúdo curricular

O tema será aplicado com palestras, atividades interdisciplinares, leitura e interpretação de textos relativos a Educação Financeira

Publicado em: 04/08/2019 às 10h51

Midiamax

A partir do ano que vem, as escolas da Rede Estadual de Ensino podem incluir o conteúdo de informação e orientação sobre educação financeira, em caráter complementar, no componente curricular do Ensino Médio. Uma lei que dispõe sobre o tema foi sancionada pelo Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) no Diário Oficial na terça-feira (02.08).


De acordo com a lei, o tema deve contemplar e desenvolver os princípios de planejamento, gerenciamento, avaliação e controle da economia pessoal e familiar. O objetivo é desenvolver a habilidade para a tomada de decisões na gestão das finanças pessoais e familiares, oportunizar o aprendizado para que o aluno faça um uso inteligente do dinheiro e despertar interesse e consciência do aluno sobre o assunto.


O conteúdo nas escolas também deve ensinar a realizar o planejamento, a execução, a avaliação e o controle do orçamento doméstico por meio do conhecimento dos conceitos de receita bruta, receita líquida, custos e despesas, além de desenvolver a mentalidade e a atitude de economizar, investir e poupar.


A SED (Secretaria de Estado de Educação) deve elaborar o conteúdo programático de informação e orientação sobre Educação Financeira. O tema pode ser desenvolvido por meio de palestras, atividades interdisciplinares, leitura e interpretação de textos.


O projeto de lei foi aprovado na terça-feira passada (25) e teve 14 votos favoráveis e dois contrários entre os deputados estaduais de MS. O projeto de Lei é do deputado Marçal Filho (PSDB) e, segundo ele, mais da metade da população brasileira está endividada. “Vamos contribuir para a redução do alto número de inadimplentes no Brasil por falta de educação financeira, que se começar cedo, vai fazer com que nossos jovens saibam lidar melhor com o dinheiro”.