UFGD: prazo de reitora continua 'ad-eternum' - Caarapó Online

Caarapó - MS, terça-feira, 24 de setembro de 2019


UFGD: prazo de reitora continua 'ad-eternum'

Em ato de filiação ao PSL, reitora temporária diz não ter prazo para deixar comando da UFGD

Publicado em: 20/08/2019 às 07h06

Douradosnews

Presente ao ato de filiação promovido pelo PSL em Dourados na manhã de sábado (17.08), a reitora pro tempore da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Mirlene Ferreira Macedo Damázio, disse não ter prazo para deixar o comando da instituição e que segue as orientações emanadas diretamente pelo MEC (Ministério da Educação) mesmo com o desfecho da ação judicial sobre a lista tríplice para a reitoria.

No dia 13 de agosto, o juiz Moisés Silva julgou improcedente a ação civil pública movida pelo MPF (Ministério Público Federal) contra a eleição para reitoria da UFGD e com isso a lista tríplice chancelada pela comunidade acadêmica e pelo colégio eleitoral voltou a valer para o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), nomear novo reitor.

“Estamos como reitora pro tempore conduzindo os trabalhos da universidade da melhor maneira possível, que foi na designação nos solicitada. Todos os trâmites da nossa universidade estão em processo. Nós também estamos acompanhando todo o processo da judicialização, os encaminhamentos dados a partir da Justiça junto ao Ministério da Educação. Nós estamos acompanhando as orientações do MEC, todas as orientações que o MEC está nos passando é o que nós estamos realizando”, explicou a reportagem.

Designada reitora pro tempore no dia 11 de junho pelo ministro da Educação Abraham Weintraub em meio às indefinições jurídicas sobre a eleição do professor Etienne Biasotto pela comunidade acadêmica e pelo colégio eleitoral, Mirlene informou que o ministério está acompanhando os desdobramentos da decisão da 1ª Vara Federal de Dourados que julgou improcedente do pedido do MPF para anular a lista tríplice.

“Eu, enquanto reitora pró-tempore, tenho essa obrigação de dar as condições naturais para os procedimentos regulares da universidade. Reitor pro tempore não tem prazos, estamos designados para realizar o trabalho enquanto for necessário para o Ministério da Educação. O objetivo do Ministério é que tudo se regularize e os trâmites na nossa universidade possam seguir normalmente”, pontuou.

Realizado na Câmara de Dourados, o evento do PSL teve 103 fichas de filiação assinadas, segundo o advogado Sindoley Morais, membro do partido que foi candidato a deputado federal nas eleições gerais de 2018. Ele informou que o vice-reitor pró-tempore, Luciano Oliveira Geisenhoff (UFGD), foi um dos novos filiados, mas não soube detalhar se a reitora pro tempore fez o mesmo.