Quinta-feira, 9 de dezembro de 2021

Cientistas buscam alternativas para a limpeza atmosférica contra excesso de CO2

Institutos de pesquisa buscam alternativas para capturar o gás carbônico (CO2) emitido por atividades humanas e, assim, ajudar a reduzir os efeitos do aquecimento global. Cientistas da Suíça alcançaram 97% de eficácia em um processo de descarbonização

Publicado em: 06/09/2021 às 06h15


Os efeitos cada vez mais evidentes do aquecimento global exigem tecnologias limpas, que garantam um futuro menos dependente de combustíveis fósseis e mais eficiente do ponto de vista energético. Para auxiliar no combate aos gases de efeito estufa e suas consequências catastróficas, pesquisadores têm investido em métodos de captura do CO2 da atmosfera. Embora reconheçam que a única saída para evitar que as temperaturas subam ainda mais seja a redução das emissões, cientistas acreditam que é possível auxiliar esse processo com métodos despoluentes.

Recentemente, pesquisadores do Instituto Paul Scherrer (IPS) e da ETH de Zurique, ambos na Suíça, investigaram até que ponto a captura direta de dióxido de carbono do ambiente pode ajudar a remover, com eficácia, os gases de efeito estufa da atmosfera. Eles descobriram que, com um planejamento cuidadoso no que diz respeito à localização e ao fornecimento da energia necessária, o CO2 pode ser retirado sem prejudicar mais o clima. Os cientistas publicaram o estudo na revista Environmental Science & Technology.

A captura e o armazenamento direto de carbono no ar (DACCS) é uma tecnologia relativamente nova para a remoção de dióxido de carbono da atmosfera. Uma vez que permitiria que grandes quantidades de CO2 fossem, de fato, aprisionadas, esse método também poderia reduzir o efeito estufa. Os cientistas suíços pesquisaram a eficácia da implementação do processo em cinco configurações diferentes de captura, em oito locais ao redor do mundo. O resultado indicou que, dependendo da combinação tecnológica aplicada e do ambiente específico, o dióxido de carbono pode ser removido do ar com uma eficácia de até 97%.

Para separar o CO2 da atmosfera, o ar passa primeiro por um absorvente de gases de efeito estufa, com auxílio de ventiladores, até que a capacidade de captura do dispositivo se esgote. Na segunda etapa, chamada de dessorção, o CO2 é novamente liberado. Dependendo do tipo de absorvente, isso acontece em temperaturas tão altas quanto 900°C ou mais baixas, a cerca de 100°C.

Contudo, o paradoxo é que, além da energia necessária para a produção e instalação dos equipamentos, o funcionamento dos ventiladores e a geração do calor necessário geram emissões de gases de efeito estufa. “O uso dessa tecnologia só faz sentido se essas emissões forem significativamente menores do que as quantidades de CO2 que ela ajuda a armazenar”, diz Tom Terlouw, que conduz pesquisas no Laboratório de Análise de Sistemas de Energia do IPS e é o principal autor do artigo.

Complementares ao estudo

No estudo, os pesquisadores se focaram em um sistema da empresa suíça Climeworks, que trabalha com o processo de baixa temperatura. Os pesquisadores do IPS analisaram o uso da tecnologia em oito locais do globo: Chile, Grécia, Jordânia, México, Espanha, Islândia, Noruega e Suíça. Para cada um deles, foram calculadas as emissões gerais de gases de efeito estufa ao longo de todo o ciclo de vida de uma planta de energia.

Por exemplo, eles compararam a eficiência do processo quando a eletricidade necessária é fornecida pela energia solar ou vem da rede elétrica existente. Como fontes para a energia térmica necessária, foram considerados usinas térmicas solares, calor residual de processos industriais e bombas de calor, entre outras.

Para o estudo, os cientistas traçaram cinco cenários de sistema diferentes para captura de CO2 atmosférico em cada um dos países analisados. Quanto à eficiência, os resultados mostram uma enorme variação, de 9% a 97%, em termos de remoção real de gases de efeito estufa por meio do uso de DACCS.

“As tecnologias de captura de CO2 são meramente complementares a uma estratégia geral de descarbonização — isso é, para a redução das emissões de CO2 — e não podem substituí-la”, enfatiza Christian Bauer, cientista do Laboratório de Análise de Sistemas de Energia e coautor do estudo. “No entanto, elas podem ser úteis para atingir as metas definidas no Acordo de Paris sobre mudanças climáticas porque certas emissões, por exemplo, da agricultura, não podem ser evitadas”. Assim, uma meta de emissões líquidas zero só pode ser alcançada com a ajuda de tecnologias adequadas de emissões negativas, sustenta.